4 de abril de 2011

Aquilo que nos pertence

Enquanto a gente conversa eu tiro inspiração dos seus olhos. Inspiração castanho-claro. Franze o teu nariz e beija a pontinha do meu. Guardo o seu cílio que ficou no meu dedo. Sorrio enquanto você briga comigo. Eu vejo cuidado nas entrelinhas. Fecho os olhos e sinto mil coisas, enquanto você me mima na beira da praia. Vejo você assinando seu nome de canetinha no meu braço, como se fosse no meu coração. Nossa sequência de fotos para fazer filme, invenção tua. Te amar tanto, invenção minha. Você me recita Caio: O Deus que acendeu esse amor, não o fez para apagar. Abraço demorado sentindo mais que corpo. Sentindo nosso coração querer desmanchar, de tanto que ele suporta nessas horas. Te observar enquanto você dorme e te decorar. Te contornar com o dedo e cantar: você me faz tão bem. Nunca ter ouvido você dizer que será para sempre, porque é desnecessário. A gente sabe que é, sem precisar dizer. Memorizar os versinhos bobos que você faz pra mim e me mostra com violão, chuva e acordes de amor. Te mandar sms enquanto vejo você descendo a ladeira, depois de ter acabado de me dar tchau. Você sente o celular vibrar e ler: Eu te amo! E vira pra gritar: Eu também. E aqui dentro grita, pedindo que você volte. Ver nosso amor crescendo aos pouquinhos, sem pressa, pra descobrir segredos. Pensar que você está pensando em mim, e receber sms tua, como confirmação.Ver tudo aquilo que eu sonhei finalmente realizar.


E você diz baixinho: Não conta pra ninguém, é só nosso.

5 comentários:

Versos desafinados... disse...

(Como sempre, ao ler seus textos). Fiquei emocionada com a pureza dessas palavras, descreves o amor sublime entre duas pessoas terrenas. LINDO.

Ellen Mancine disse...

que texto mais lindooooo, amiga!

Versos desafinados... disse...

(Como sempre ao ler seus textos)
Fiquei emocionada com a pureza dessas palavras, descreves o amor sublime entre duas pessoas terrenas. LINDO.

Lara Oliveira. disse...

Quanto amor! Ficou lindo.
"Vejo você assinando seu nome de canetinha no meu braço, como se fosse no meu coração." Me bateu uma nostalgia lendo essa frase, nossa, era exatamente assim... Enfim, amei o texto.
Beijos

Nara Sales disse...

Essa fase do amor é tão gostosa de viver. São tantos detalhes bons e bobos que nos fazem suspurar.